Depois da “Minha quase morte”, continuar a viver me fez reencontrar toda motivação e alegria de existir. É como se tivesse deixado todos os meus melhores sentimentos em uma caixa, esquecida num armário velho, quase sem importância e agora ela está aberta novamente.

QUANDO PERDI MINHAS ASAS DESCOBRI QUE AINDA PODERIA VOAR

voar

SOBREVIVÊNCIA

Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir

Relatar aqui cada passo dessa ‘volta’ seria demasiadamente chato! Digo isso primeiro por não ter tido noção do que estava acontecendo durante muito tempo, então certamente falharia em alguns detalhes. Do que me lembro, também não é nada agradável e nesse momento não julgo necessário compartilhar.

Importante agora, para você que está vivendo algo parecido com o que eu vivi é dizer, OU VOCÊ VENCE OU SERÁ VENCIDO. Mas para vencer, ACREDITE, precisa ter VONTADE de ficar bem, sei que é difícil, peça ajuda e aceite, as pessoas que lhe amam e querem te ajudar só tem um interesse, VER VOCÊ BEM! Se perdoe, você não é culpado por estar doente. Aceite suas limitações mas saiba que você pode ir muito longe. Quantas vezes você já amou alguém? Agora é a sua vez, ame-se! Você é valioso/a demais para ficar em sofrimento.

Hoje, fevereiro de 2016 estou em paz! Não serei hipócrita, não me sinto perfeitamente curada, afinal ainda preciso de remédios todos os dias, mas tenho consciência das minhas limitações e sei até onde devo ir. Ter minha vida sob o meu controle é algo novo e tão inusitado que sim, ainda estou tendo dificuldade de me adaptar a isso. Um aeronauta nunca estará completamente adaptado ao “mundo real”.

Depois de 11 anos vivendo sob uma escala de voo, mais horas dentro de aviões do que em terra, voltar a dormir em casa todas as noites foi muito confuso. Sentar à mesa para o almoço todos os dias idem.

Até hoje como ‘correndo’, velhos hábitos de quem precisava ter um olho na refeição, outro nos avisos luminosos, nas chamadas de comissários (que sempre tocam na melhor parte do alimento quando raras vezes é bom), no relógio, contando quantos minutos faltam para o pouso, quanto tempo teremos para escovar os dentes que quase nunca dá tempo, retocar batom e iniciar os procedimentos de segurança e já esquecer que gosto tinha o que estávamos comendo.

Quase todos o voos curtos são assim. Afinal, quantos olhos os comissários tem?? Vários! Sabe a história ‘a necessidade faz o ladrão’? Assim somos nós comissários, com o tempo nos tornamos excelentes observadores.

Como relato em outros artigos, antes mesmo de ‘perder minhas asas’ eu já estava doente e ainda assim continuei por mais de dois anos me arrastando junto com a mala que precisava ser puxada. Busquei ‘culpados’ para todo o sofrimento que estava passando até entender que: CADA INDIVÍDUO É ABSOLUTAMENTE RESPONSÁVEL PELA SUA VIDA.

Porém, respirando aviação praticamente 24 horas por dia e adoecendo a cada jornada, essa conclusão tornar-se muito difícil de ser percebida/ entendida. Se não tivessem me tirado do avião ACREDITO que poderia ter sucumbido em pleno exercício da profissão.

Faça essa pergunta para si mesmo: “COMO ESTOU VIVENDO A MINHA VIDA?” Você pode não ter a resposta imediatamente pois nos anos mais recentes está sempre EXISTINDO, poucos de nós realmente estamos VIVENDO.

Estou de “ASAS NOVAS” e essas só Deus pode tirar de mim! Essas me conduzem para novas escolhas. Eu vivi no meu sonho, isso é maravilhoso! Sou eternamente grata. Se outra vida eu tiver, gostaria de ter e viver esse mesmo sonho, no entanto, com todo o entendimento que o sofrimento me trouxe e ainda, iniciaria meu sonho com outro maior ao lado dele. Isso é importante!!

angel-1008398_960_720

O ACREDITE! nasceu não somente para relatar esse momento difícil da minha vida, nem tão pouco desmotivar você que sonha em ‘ganhar suas asinhas’. Muito pelo contrário, desejo que você consiga, que voe muito, mas que esteja consciente de realidade da profissão sempre.

COMISSÁRIOS CONSCIENTES SEMPRE!

Até aqui relatei em artigos uns três anos de dor, minha preocupação sempre foi contar sem fazer drama ou causar algum desconforto a quem quer que fosse. Resolvi expor essa parte ruim mas extremamente importante da minha história, pois sei que não sou a última pessoa a ter dificuldades em algum momento da vida.

Nos próximos artigos compartilho o que fiz e estou fazendo para melhorar e as oportunidades que vieram ao meu encontro.

Minha missão é SERVIR e desde o início, o primeiro pensamento desse projeto, foi ajudar outras pessoas. E o ACREDITE! já está sendo benéfico. É uma satisfação enorme poder dispor tempo e minha energia aqui!

Quando enfim tive noção das lições que essa profissão me trouxe, do aprendizado que um comissário adquire com tudo que vivência, do valor agregado na minha vida e tudo que eu poderia fazer com esse conhecimento, PARECIA SER TARDE DEMAIS, felizmente não era.

Foi na dor que descobri que AINDA POSSO VOAR, e você é meu convidado para continuar a bordo desse voo! 🙂

FIM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *