EMERGÊNCIA NÃO PREPARADA

É aquela em que não há tempo para uma preparação de cabine e deve-se adotar a posição de impacto.

A que vou relatar aqui, certamente foi até agora a pior de todas, ‘QUANDO PERDI MINHAS ASAS’! Em outro artigo contei sobre o meu último voo http://janainamichiles.com/meu-ultimo-voo/ e, foi depois dele que vi minhas ‘asinhas’ irem para a gaveta. Certamente, para essa situação eu não estava nem um pouco preparada.

Recebi um telefonema em setembro de 2014, era o médico da cia aérea que de forma muito educada e cautelosa conversou comigo, perguntou sem rodeios sobre algumas coisas e logo ele disse: ‘JANAÍNA, VOCÊ PRECISA SE CUIDAR, O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMPROMETE A SEGURANÇA, SUA E DO SEU TRABALHO. VOCÊ NÃO PODE IR PARA O VOO. ESTOU TIRANDO VOCÊ AGORA DE ESCALA. SE CUIDE.’ 

emergênca

Aquelas palavras ecoaram na minha mente por muitos minutos, depois dias… meses. No início senti um alívio, muitos dos sintomas ruins que vinha tendo desapareceram imediatamente. Até que caí na real. O meu ‘estresse agudo’ (um dos diagnósticos) não me permitia total lucidez naqueles dias.

‘E agora, o que eu vou fazer da minha vida?’ Esse era o único pensamento que tive durante muitos dias, noites e madrugadas. ‘Como vou viver sem uma escala de voo? Minha vida foi gerenciada por escala nos últimos 11 anos’. ‘EU-NÃO-SEI!!’. As escolas de formação de comissários, bem como as cias aéreas, poderiam instituir um tópico especial ou qualquer outro tipo de ‘treinamento’ para que um comissário ‘saiba’ parar de voar.

sad-smile

Muitos de nós, comissários de voo, aprendemos com o passar dos anos a reclamar da escala. Isso torna-se um hábito, nem nos damos conta. Relação de amor e ódio, mas ACREDITE: ficar sem ela é muito pior. Não duvide! Se você não estiver preparado para esse momento, vai doer. Ninguém nos disse que essa hora chegaria. Você que está voando, já sabe o que faria se parasse de voar hoje? Pois é, eu também julgava saber…

Sei que o este relato contém pensamentos contraditórios, mas durante os últimos anos que voei a contradição foi o único sentimento possível de definir: Isso é perturbador! Eu queria sair do avião, mas como assim se eu amava voar? Queria ficar mais em casa, mas ficar em casa era estranho. Desejava acordar e não ter nada para fazer. Então porque ficar sem fazer nada era tão difícil?

Chorei, dormi, acordei, chorei novamente, sentia uma tristeza profunda, uma certeza de fracasso como nunca havia sentido. Me culpava por não ser mais capaz de trabalhar, perdi a vontade de me cuidar de um modo geral. Em outros momentos da vida, passei por situações muito difíceis, mas nesse caso, foi diferente de tudo. A responsabilidade era toda minha, só eu poderia ter evitado, cuidado da minha saúde quando os primeiros sinais vieram à tona. Eu só tinha uma alternativa, aceitar.

“DESTRUÍDA, assim fiquei quando PERDI MINHAS ASAS!”

É difícil relembrar tudo isso agora, minhas mãos ainda ficam geladas, mas faz parte desse projeto, por mais que seja desconfortável expor, sei que a intensão é positiva. Como poderia dizer para você ACREDITAR mais em você e nas inúmeras possibilidades de continuar a ‘voar’ ainda que lhe falte ‘asas’ se a minha verdade ficar em segredo?! Não vi essa possibilidade.

Quando os meus dias viraram noites, eu só chorei! Sentia que havia perdido parte de mim, não me reconhecia. Perdi o céu, perdi o brilho, perdi o sonho, perdi o sorriso, perdi a vontade de seguir, perdi muito. Mas não perdi a fé em Deus, e verdadeiramente para mim, a fé move montanhas. A fé me moveu, e vou te contar como isto aconteceu nos próximos artigos.

Até breve.

15 thoughts on “EMERGÊNCIA NÃO PREPARADA”

  1. Nossa Jana! Estou muito feliz por voce ter superado todo esse sofrimento, Deus nos faz passar por situaçoes dificeis porque ele sabe que somos fortes, o Senhor conhece o nosso intimo.Deus esta te usando para poder ajudar outras pesssoas .estou anciosa pros proximos capitulos bjs

  2. Nossa Janaina, os seus textos descrevem detalhes da minha história, e infelizmente me foram tiradas as minhas ‘ ASAS ‘ que lutei tanto pra conquistar e agora estão aguardas em uma guaveta como você disse e talvez nunca mais voltem a voar. A “Depressão ” destrói aos poucos e só quem convive com um depressivo sabe do que estou falando. Fico feliz que você está melhorando, graças a Deuse a minha família e amigos e ainda a base de remédios estou tentando encontrar um novo caminho, ainda nao sei qual pois aviação é impossível esquecer. Parabéns pelos textos.

    1. obrigada Paula, desejo que você se recupere em breve!
      não abandone o tratamento, não desista de você.
      Já estou ‘batendo as asas’ em outros ares e sim, você irá encontrar um novo caminho, tenha paciência e amor por si mesma que tudo se organiza.
      Um grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *